Meu filho é um dependente químico e agora?

Meu filho é um dependente químico e agora?

Meu filho é um dependente químico e agora?

Onde foi que eu errei?

Consideravelmente, uma das facetas do tratamento da Dependência Química é o apoio e a orientação à família. Inevitavelmente o choque inicial, o fato de que “aquelas suspeitas” que os pais tinham e agora foram confirmadas, e a realidade antes tão difícil de ser admitida, está escancarada. Diante da descoberta de fatos tão dolorosos, muitos pais se vêm carregados de culpas, arrependimentos e maneiras de encontrar respostas que expliquem a situação.

O meu maior questionamento é: Há culpados?

Muitos pais se perguntam:
Será que foi aquela surra que dei nele porque mentiu, é um motivo? Será que minha ausência por causa do trabalho, seria um motivo? Será que o fato de ter presenciado algumas brigas em casa, foram um motivo?

 

Na tentativa de aliviar um pouco a culpa e saber lidar com a situação, se pergunte:

Quando eu o corrigi, eu estava tentando leva-lo às drogas? Será que eu pensava: “tomara que com essa surra ele se revolte e use drogas quando crescer”. Claro que não!

Você deixou isso acontecer de propósito? Claro que não!

Pensando juntos, podemos chegar à conclusão que todas as atitudes tomadas pelos pais, boas ou ruins, não tinham a intensão de que os filhos se drogassem quando crescessem. Muitas vezes, os pais dão o melhor (pelo menos o melhor que sabem dar), mas nem sempre o melhor é o suficiente. Acreditar que pode dar uma educação perfeita aos filhos é uma maneira irrealista de viver a função de pais.

São inúmeros os pensamentos e lembranças que os familiares não resistem em se afundar. Por isso a importância do conhecimento! Sim, do conhecimento!

Meu filho é um dependente químico e agora

Conhecer-se enquanto pessoa, conhecer seu filho e principalmente conhecer o processo da drogadição. Conhecer o que chamamos de codependência, conhecer seu papel dentro do tratamento do seu filho é essencial, e sendo ajudado e acompanhado por um profissional competente e com conhecimento na área, trará certamente uma visão mais clara e realista de como lidar com as situações.

Cada pessoa é única e as experiências que cada um vive também são únicas. Vivemos diversas fases em nossas vidas e em cada uma delas, pensamos de um jeito diferente. Erramos, aprendemos, mudamos, melhoramos ou pioramos. Muitas vezes somos vítimas das nossas próprias limitações humanas, e entender isso é libertador!

Denise A S Orejana
Psicóloga
CRM 06/157659

 

 

 

Curta e Compartilhe